Ricardo Nezinho defende a reabertura das feiras de animais em Alagoas
3 de setembro de 2020
Imprensa RNZ (1182 articles)
Share

Ricardo Nezinho defende a reabertura das feiras de animais em Alagoas

O deputado estadual Ricardo Nezinho (MDB), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa de Alagoas, defendeu a reabertura das feiras de animais no estado, por entender, que além de ser uma cultura do nordestino, é uma forma de promover e fortalecer a cadeia produtiva local, integrando diversos criadores que desejam vender e comprar animais, que procedem de todas as regiões de Alagoas, e também de Estados vizinhos como Pernambuco e Sergipe; funcionando como um “termômetro” econômico rural.

“As feiras de animais, também movimentam o comércio do município, pois muitos criadores aproveitam para realizar compras nas lojas da cidade, irem a lanchonetes e restaurantes, e o comércio informal de ambulantes, também é aquecido, como por exemplo os vendedores de chapéus, botas e apetrechos de couro para a lida diária com os animais”, ressalta o parlamentar.

Ainda de acordo com o deputado, que recebeu o apoio de colegas parlamentares, em 2019 ocorreram uma média de 500 feiras de animais, citando entre elas, as principais de Alagoas, que ficam localizadas nos municípios de Campo Grande, Dois Riachos, Palmeira dos Índios, Arapiraca e São José da Tapera.

Ricardo Nezinho aponta ainda, que além destas, também há feiras de menor porte nos municípios de Canapi, Ouro Branco, Inhapi, Delmiro Gouveia, Craíbas, São Sebastião e Senador Rui Palmeira, onde nesta última, há a comercialização apenas de caprinos, ovinos e suínos.

Ricardo Nezinho defende a reabertura dessas feiras de animais depois de receber dezenas de solicitações de comerciantes desse segmento, onde garantem que para cada dia da semana, há a realização de feira de gado em pelo menos um desses municípios, citando como exemplo, a comercialização de cerca de 700 a 1.000 animais, porém, a feira de gado de Dois Riachos, comercializa em torno de 1500 a 2000 animais, até porque, o esporte de vaquejada já foi liberado, depois de algum tempo proibido, concluiu ele.

 

FONTE:  www.tribunahoje.com/

Imprensa RNZ

Imprensa RNZ