4 de agosto de 2021
Imprensa RNZ (1234 articles)
Share

Ricardo Nezinho defende construção de hospital para idosos em AL

“Cuidar do idoso é respeitar o futuro”. A frase foi dita pelo deputado estadual Ricardo Nezinho (MDB) quando utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa de Alagoas, em sessão ordinária desta quarta-feira(04), para confirmar indicação feita ao Governo do Estado, para a construção do Hospital do Idoso em Alagoas.

No discurso para embasar a indicação, Ricardo Nezinho citou a expectativa de vida ao longo da história, a importância do respeito às pessoas idosas e como a atual geração tem a possibilidade de aproveitar ainda mais a experiência e os ensinamentos de quem está com mais de 60 anos.

As palavras e argumentos do deputado receberam elogios e apoio de outros parlamentares que acompanharam a sessão no plenário da Casa de Tavares Bastos.

O deputado Ricardo Nezinho lembrou que, para a Organização Mundial de Saúde (OMS), é considerado idoso quem tem mais de 60 anos. “Quando o Brasil foi descoberto em 1500, a expectativa de vida de um cidadão era de 35 a 45 anos. Isso só foi mudar no início do século 20, quando passou para 50 anos e somente nos últimos anos a expectativa de vida chegou a 70 anos”, comentou.

Nezinho citou ainda que o mundo tem cerca de 840 milhões de idosos sendo 25 milhões no Brasil.

“Esta geração é que tem mais perspectiva de vida na história. É um momento em que a gente tem que realmente aprender e tirar como lição e fazer jus este momento tão importante”, disse.

“A gente percebe que a expectativa tem relação direta com alguns fatores como educação, saúde, índice de violência, saneamento básico, alimentação, entre outros. A gente vê em países como Japão, Austrália, com expectativa de mais de 80 anos. Já na África é apenas 50 anos”, explicou Ricardo Nezinho.

“Uma ferramenta muito importante para este momento é o Estatuto do Idoso, que faz referência ao cidadão ter respeito e dignidade à pessoa humana”.

Para o deputado este trabalho tem que ser realizado ainda na infância, quando a criança está na escola, aprendendo a dar os primeiros passos, a falar as primeiras palavras, já vai aprender a respeitar os mais experientes, os idosos. “Quando a gente cuida do idoso, a gente tá respeitando o nosso futuro”, citou.

Para reforçar a importância de ensinar sobre respeito aos idosos na mais tenra idade, o deputado contou a história do avô da esposa. Ricardo Nezinho salientou que “seu” Paulo é autodidata, culto, carismático e uma figura sempre alegre.

“Toda sexta-feira, “seu” Paulo a almoçava na minha casa. Mas numa determinada sexta, chegou triste. Perguntei o que havia acontecido e ele, cabisbaixo, disse que não sabia que velho era bicho. Continuei perguntando até que ele contou que subia a ladeira do Alto do Cruzeiro quando cruzou com uma senhora que carregava uma criança no colo, que chorava muito pedindo alguma coisa para mãe que ameaçou: Vou mandar o velho te pegar”.

FUTURO – “Vejo lutas de classes diferentes, ativistas, pessoas competentes e de conquistas para vários movimentos. Todos legitimamente capazes de buscar suas conquistas. Mas um dia, todos vão chegar à fase idosa. É a fase onde todas as classes vão se encontrar, onde vai se encontrar todo o segmento da humanidade”, relatou.

“Dei entrada na Casa Legislativa numa indicação para que o Governo do Estado possa construir o Hospital do Idoso, levando em consideração a construção do Hospital da Criança, da Mulher”, citou o deputado Ricardo Nezinho.

APOIO – O discurso e argumentos de Ricardo Nezinho ganharam apoio de outros parlamentares. O deputado estadual Inácio Loiola não poupou elogios.

“Foi um dos mais brilhares discursos que já presenciei aqui na Assembleia Legislativa. Vossa excelência, deputado Ricardo Nezinho, traz um tema de grande relevância para esta Casa. Parabenizo pela sua preocupação para que a gente tenha esta visão voltada para quem tem mais de 60 anos”, disse Loiola.

As palavras de Ricardo Nezinho fizeram o deputado Francisco Tenório lembrar de dona Maria José, de 95 anos. “Sempre busco na minha mãe muito conselhos. Ela conta histórias de criança, dos meus avós, bisavós. Belíssimo pronunciamento sobre o assunto”, comentou Tenório.

O deputado Tarcizo Freire emendou: “Fiz 61 anos, já estou no time. Quero parabenizar vossa Excelência pelo tema. O idoso pode não ter mais a mesma força de trabalho, mas tem experiência”. O parlamentar citou a mãe de 93 anos e o pai, agricultor, que tem 90 e vai participar do projeto Raízes de Arapiraca, uma série de documentários sobre a história da segunda maior cidade de Alagoas e que é idealizada e coordenada pelo deputado Ricardo Nezinho.

O presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), Marcelo Victor, também parabenizou Nezinho por trazer à tona assunto tão importante. “Meu pai com 9 décadas de vida e não é fácil chegar a esta idade. Uma sociedade que não trata bem seus idosos, é egoísta, sem fraternidade e nunca vai se desenvolver a um patamar de primeiro mundo”, disse o presidente da ALE.

Ricardo também lembrou do saudoso Nezinho, que também ocupou uma cadeira na ALE. Histórias de conselhos ou simplesmente de uma boa conversa para lembrar a importância da experiência. “Lembro do meu pai quando eu saía para as campanhas de vereador em Arapiraca. Apareciam questões pontuais e eu não queria levar problemas para ele. Mas só em sentir aquela presença ao meu lado, ao meu lado já saía aliviado, agradecendo a Deus por ele estar ali, presente”, lembrou.

Ricardo Nezinho ainda fez uma solicitação aos estudiosos, especialistas, sociedade em geral para que existisse o senso comum sobre a questão do idoso. “A gente sabe o que é homofobia, o que é racismo, sabe o que é não cuidar do deficiente físico, não cuidar do cidadão na extrema pobreza. Quem sabe o que é idadismo (Discriminação e preconceito baseados na idade, geralmente das gerações mais novas em relação às mais velhas; etarismo), ageísmo (Visão negativa, aversão e preconceito direcionado a pessoas mais velhas, aos idosos, também se pode efetivar pela criação de estereótipos que desvalorizam a dignidade humana dessas pessoas; preconceito por idade)?”, indagou.

“Grande parte das pessoas que estão envelhecendo tem medo de chegar na fase idosa, além de serem também recriminadas e de sofrerem preconceito. Muitos ainda acham que o idoso é uma carta fora do baralho. Quem tiver um idoso em casa aproveite para extrair dele ou dela a experiência e ensinamentos de vida. Quem tem um idoso em casa use deste professor para que não possa cair em erros. Quem tem um idoso em casa tem um ser humano de vasta experiência para que não caia no abismo”.

Ricardo Nezinho encerrou o pronunciamento com uma citação bíblica: “Honra teu pai, tua mãe, que tu terás vida longa e feliz nesta Terra”.

 

FONTE:  www.tribunahoje.com/

Imprensa RNZ

Imprensa RNZ